As aparições de Jesus depois da ressurreição eram físicas ou eram meras visões? Lucas 24:23

PROBLEMA: Jesus referiu-se ao seu corpo ressurreto como tendo carne e ossos (Lc 24:39). Ele comeu alimentos físicos (v. 42) e foi tocado por mãos humanas (Mt 28:9). Mas Lucas refere-se a uma "visão", o que implica que não era uma aparição física. Alguns também apontam para o fato de que aqueles que estavam com Paulo, quando ele passou por aquela experiência no caminho de Damasco, não viram Cristo (veja tf 9:7).

SOLUÇÃO: As aparições de Jesus após sua ressurreição foram literais, foram aparições de um corpo físico. Isso é evidente por várias razões. Primeiro, a passagem de Lucas (24:23) não se refere a uma visão de Cristo, mas tão-somente àquelas mulheres vendo anjos no sepulcro, e não a uma aparição de Cristo. Os Evangelhos nunca falam de uma aparição de Jesus após a ressurreição como sendo uma visão, nem o faz Paulo em sua lista de 1 Coríntios 15.

Segundo, os encontros com Cristo após a ressurreição são descritos por Paulo como aparições literais (1 Co 15:5-8), não como visões. A diferença entre uma mera visão e uma aparição física é significativa. As visões são de realidades invisíveis, espirituais, tal como Deus e os anjos. As aparições, por outro lado, são de objetos físicos que podem ser vistos ie olhos abertos. As visões não têm manifestações físicas a elas associadas, mas as aparições têm.

As pessoas, às vezes, "vêem" ou "ouvem" coisas em suas visões (Lc 1:1 lss; At 10:9ss), mas não com os seus puros sentidos físicos. Quando acontece de alguém ver anjos com os seus olhos físicos, ou ter algum contato físico com eles (Gn 18:8; 32:24; Dn 8:18), não se trata de uma visão, mas de uma aparição real de anjos no mundo físico. Nessas aparições, os anjos assumem temporariamente uma forma visível e depois retornam ao seu estado normal, invisível. Entretanto, as aparições de Jesus após a ressurreição foram experiências em que Cristo foi visto a olho nu em sua permanente e visível forma física. De qualquer forma, há uma significativa diferença entre uma simples visão e uma aparição física.

VISÃO
APARIÇÃO

De uma realidade espiritual
Não há manifestações físicas
Daniel 2; 7
2 Coríntios 12


De um objeto físico
Há manifestações físicas
1 Coríntios 15
Atos 9


Terceiro, certamente a maneira mais comum de se referir a um encontro com o Cristo ressurreto é usando a palavra "aparição". As aparições foram acompanhadas de manifestações físicas, tais como a voz audível de Jesus, as feridas da crucificação em seu corpo físico, sensações físicas (como o toque) e o fato de alimentar-se em três ocasiões. Esses fenômenos não são meramente subjetivos ou do interior da pessoa, eles envolvem uma realidade física, exterior.

Finalmente, a posição discordante de que a experiência de Paulo teria sido uma visão - porque os que estavam com ele não viram Cristo não tem fundamento, já que seus companheiros viram a luz e ouviram o som, tal como Paulo, mas apenas este olhou para a luz, e somente ele viu Jesus.


MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia - 
Norman Geisler - Thomas Howe.

0 comentários:

Postar um comentário

REGRAS AO COMENTAR:

"Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo." [Efésios 4:29-32 (NVI)]

1 - Todos os usuários deverão se identificar de alguma forma (nome, apelido ou pseudônimo).

2 - Comentários somente com letras maiúsculas serão recusados.

3 - Comentários ofensivos serão deletados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Dúvidas entre em contato - helio.juniorjp@gmail.com - "Estejais sempre prontos para responder a todo aquele que pedir a razão da esperança que há em vós" (I Pe. 3.15)

Irmãos

Arquivo do blog