Como pode a Bíblia afirmar que o arganaz e a lebre ruminam, se hoje a ciência sabe que eles não ruminam? Levítico 11:5-6



PROBLEMA: Em Levítico 11:5-6, dois animais, o arganaz que vive nas rochas e a lebre, foram dados como imundos porque, embora ruminem, não têm as unhas fendidas. A ciência, porém, descobriu que estes dois animais não ruminam. Não é então um erro a Bíblia dizer que eles ruminam, quando na verdade não ruminam?

SOLUÇÃO: Embora estes dois animais não ruminem, no sentido moderno e técnico desta expressão, para um observador, eles de fato têm um comportamento que faz parecer que estejam ruminando. Assim, eles foram relacionados junto com outros animais que de fato ruminam para que qualquer um pudesse distingui-los como imundos, pelo critério da observação.

Os animais que ruminam são identificados como ruminantes; eles trazem de volta o alimento até a boca para ser novamente mastigado. Os ruminantes normalmente têm quatro estômagos. Nem o arganaz das rochas (traduzido como querogrilo na R-IBB), nem a lebre são ruminantes, e sob o ponto de vista científico realmente não ruminam. Entretanto, estes dois animais movem o queixo de tal maneira, que é como se estivessem ruminando. Este hábito neles é tão convincente, que um grande cientista sueco, Linnaeus, de início os tinha classificado como ruminantes.

Sabe-se agora que as lebres praticam o que se chama "reflexão", processo em que certos alimentos vegetais indigestos absorvem certas bactérias e são engolidos e depois comidos de novo. Este processo permite que a lebre possa digeri-los com maior facilidade e é muito semelhante à ruminação. Assim, a frase hebraica "porque rumina" não deve ser tomada no sentido científico moderno, mas no sentido antigo de haver um movimento que, nas palavras de hoje, tanto pode ser a ruminação como a reflexão.

A relação de animais puros e imundos destinava-se a ser um meio prático para os israelitas distinguirem o que deveriam ou não comer. O israelita daquela época seguramente não conhecia os aspectos técnicos da ruminação, e poderia então considerar o arganaz e a lebre como puros por parecer ruminar. Em vista disto, foi necessário destacar que, embora tivessem a aparência de ruminantes, estes animais eram imundos por não terem as unhas fendidas.

Hoje em dia, também agimos de forma semelhante quando falamos com pessoas que não têm familiaridade com certos aspectos técnicos de alguma coisa. Por exemplo, usamos a linguagem aparente do pôr-do-sol e do sol nascente, especialmente quando falamos com crianças. Para uma criança, o ciclo diário do sol é como se ele se levantasse e se pusesse a cada dia (veja os comentários de Josué 10:12-14). A descrição não é tecnicamente correta, mas é adequada ao nível de entendimento da criança.

Isto é o que acontece no texto de Levítico 11:5-6. Embora o arganaz e a lebre não sejam animais ruminantes, esta colocação era adequada para aquele tempo, de forma a deixar bem claro que aqueles dois animais eram considerados imundos.

MANUAL POPULAR de Dúvidas, Enigmas e "Contradições" da Bíblia - 
Norman Geisler - Thomas Howe.

1 comentários:

ANIMES disse...

É realmente deus ainda tem muito que aprender kkkk

Postar um comentário

REGRAS AO COMENTAR:

"Nenhuma palavra torpe saia da boca de vocês, mas apenas a que for útil para edificar os outros, conforme a necessidade, para que conceda graça aos que a ouvem. Não entristeçam o Espírito Santo de Deus, com o qual vocês foram selados para o dia da redenção. Livrem-se de toda amargura, indignação e ira, gritaria e calúnia, bem como de toda maldade. Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo." [Efésios 4:29-32 (NVI)]

1 - Todos os usuários deverão se identificar de alguma forma (nome, apelido ou pseudônimo).

2 - Comentários somente com letras maiúsculas serão recusados.

3 - Comentários ofensivos serão deletados.

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Dúvidas entre em contato - helio.juniorjp@gmail.com - "Estejais sempre prontos para responder a todo aquele que pedir a razão da esperança que há em vós" (I Pe. 3.15)

Irmãos

Arquivo do blog